Goiânia deve ter escalonamento de horários para atividades não essenciais a partir da próxima semana, diz prefeitura Medida foi sugerida pela CMTC para evitar aglomerações nos terminais e pontos de ônibus. Veja os horários do rodízio.

Goiânia deve ter escalonamento de horários para atividades não essenciais a partir da próxima semana, diz prefeitura Medida foi sugerida pela CMTC para evitar aglomerações nos terminais e pontos de ônibus. Veja os horários do rodízio.

Para evitar a aglomeração nos terminais e pontos de ônibus da capital durante a pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Goiânia determinou o escalonamento de horários dos comércios e alguns serviços considerados não essenciais, a partir da próxima semana. A sugestão foi feita pela Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC).

As regras ainda precisam ser publicadas em um decreto para que comecem a valer. A prefeitura ainda não divulgou a data exata de início nem como será feita a fiscalização desse escalonamento.

Veja os horários de escalonamento:

Às 6h:

  • Garis e coletores
  • Postos de combustíveis
  • Panificadoras

Às 7h:

  • Áreas de saúde
  • Indústrias farmacêuticas
  • Indústrias alimentícias
  • Construção civil

Às 8h:

  • Domésticas e faxineiras
  • Vigilantes
  • Porteiros e zeladores
  • Farmácias e drogarias

Às 9h:

  • Supermercados
  • Lojas de produtos agropecuários e veterinários
  • Hospitais e clínicas veterinárias
  • Agências lotéricas

Às 10h:

  • Bancos

Necessidade de mais ônibus

O engenheiro de transportes Marcos Rothen acredita que a medida possa diminuir um pouco as aglomerações no transporte coletivo, mas afirma ser necessário que as empresas diminuam o intervalo dos ônibus nas linhas.

“É uma medida positiva, mas é de pequeno impacto. Tem o ônibus, mas o ônibus não sai, não vai lá atender os passageiros. Então, as empresas estão funcionando em um sistema de operação fora da nossa realidade. Se o ônibus já encheu ou está perto de encher, ele já pode sair e vir outro para buscar os passageiros”, explica.

Fonte G1.

Artigos relacionados